Um ano e só...

 Um ano...
Não sei se celebro ou reclamo!!
Vou apenas esperar... e torcer para que o universo seja generoso e atenda os meus pedidos.
E que essa data não seja comemorada novamente!!!


Sobre caminhar só...

        Eu ando só e já faz um bom tempo. Por algum tempo muito breve, algumas pessoas caminharam durante algum tempo ao meu lado. Foi bem legal, divertido e também bastante sofrido.

     Hoje faz um ano que tive uma pessoa ao meu lado por um tempo. De lá pra cá resolvi caminhar sozinha para evitar dores maiores. 

    Meu último relacionamento foi do tipo meteoro: chegou na minha vida sem avisar e fez um estrago considerável, cheguei até mesmo a ficar fisicamente doente. 

     A última pessoa que caminhou ao meu lado se mostrou incapaz de alcançar o meu ritmo e nem sequer se mostrou disposta a isso e dessa vez, eu percebi os sinais de que havia algo errado e comecei a me afastar.

    De tanto ficar sozinha, acho que acabei me acostumando e hoje, nem consigo imaginar como seria ter alguém na minha vida, uma pessoa que realmente se disponha a caminhar do meu lado e lute para que as coisas funcionem.

    Decidi parar de me machucar e não deixar que as pessoas caminhem ao meu lado. Para evitar decepções, evito que as pessoas se aproximem muito de mim e isso tem me poupado algumas lágrimas, muita ansiedade e bastante preocupação.

    Ainda que eu tenha todas essas vantagens, existem momentos em que caminhar só fica muito difícil e quando isso acontece eu procuro dirigir o foco da minha vida para outras coisas: faço leituras, vejo filmes, escrevo um pouco, limpo um armário.... faço atividades que me distraiam e ocupem o meu tempo. 

        Andar só tem sido uma experiência enorme da autoconhecimento e percebo que cada vez mais estou pronta para permitir que uma nova pessoa entre na minha vida. Que venha quando estiver pronta. Sem pressa. E que venha pra ficar.

Muita luz pra todos!!!

Sobre o ouvir e o escutar






       São duas palavras tão simples, tão parecidas, tão usadas. 
     Algumas pessoas as consideram sinônimas e não conseguem perceber a diferença sutil e importantíssima entre as duas.

     Praticamos todos os dias em diferentes momentos, algumas pessoas mais, outras menos, mas todos nós  utilizamos esses dois comportamentos muitas vezes e alternamos quando usar um ou outro.

    Creio que perceber a diferença já nos permite perceber os fatos sobre uma outra perspectiva um pouco mais profunda e desafiadora.

    Ouvir, creio eu, é um ato mais livre: ouvimos música, ouvimos as notícias, ouvimos um discurso. Nesse ato não parece haver um compromisso maior com o outro, a preocupação está mais centrada em nós mesmos e nas nossas próprias necessidades de divertimento, entretenimento, curiosidade, sede de informação... não há um compromisso maior em prestar atenção ou mesmo dar algum tipo de resposta.

    Já escutar é um outro tipo de comportamento. Exige uma dedicação e um envolvimento maior. Exige entrega amorosa, empatia, silêncio atento, compartilhamento de ideias e sentimentos, exige uma presença total. 

      Inúmeras vezes, eu sentei com amigos e tive que fazer um esforço enorme pra conseguir me desligar de tudo o que se passava na minha cabeça para me fazer presente por inteira: olhar no olho, compartilhar tudo o que estava sendo dito. 

    Pra mim, escutar é uma arte que vamos desenvolvendo ao longo da vida, aprendendo a silenciar os nossos pensamentos para colocar se em comunhão com uma outra pessoa e por algum tempo fazer com que ela se sinta realmente escutada e acolhida. Nesses momentos o tempo parece parar e me sinto parte de algo muito maior que eu mesma. 

     É uma pena que, na minha vida diária, esses momentos são raros, porque as "outras demandas" disputam ferozmente a minha atenção. Talvez por isso que eu escreva para poder silenciar um pouco as demandas externas e ouvir os meus pensamentos com maior carinho e acolhimento.  

     Por que aprender a se escutar também é importante, e em alguns momentos essencial para que saibamos exatamente qual o caminho que mais nos serve e nos faz feliz.

       Eu que trabalho com muita gente ao longo do meu dia, confesso que passo a maior parte do tempo ouvindo as pessoas, e percebo que , cada vez mais, todos tem uma necessidade enorme de serem ouvidos e falar, mesmo que nem sejam coisas tão necessárias. 

      Nessas horas em que apenas ouço as pessoas me sinto presa a um emaranhado de palavras sem sentido e congelada no tempo.

      Acredito que depois de um determinado tempo de vida adquirimos o direito de escolher o que queremos escutar e o que queremos apenas ouvir, até porque a vida começa a ficar mais preciosa e a gente com menos paciência.

       Ouvir é importante mas escutar é essencial, o primeiro fazemos essencialmente com os ouvidos, já o segundo faz com que entreguemos o nosso coração no processo.

       O grande segredo parece ser, a capacidade de decidir com clareza e sem arrependimentos, o que queremos escutar e aquilo que apenas ouvir e assim, construir a sinfonia dos nossos dias e pensamentos.


     Por um mundo mais equilibrado entre a arte de escutar e o ato de ouvir.


Muita luz e escuta pra todos!!!

Sobre ontem a noite ou meu primeiro ritual do fogo

    Ontem a noite participei do meu primeiro ritual do fogo. Foi o encerramento de um curso de Terapias Holísticas que eu estava fazendo. 

    Foi um experiência inesquecível que, espero que se torne uma rotina na minha vida.

    Eu acredito, até porque tenho tido muitas provas sobre isso, que a vida é uma sucessão de ciclos, alguns se misturam um pouco mas a maioria tem seus eventos de início e fim.

  Ontem a noite, junto com as minhas colegas e diante de uma grande fogueira, encerrei muitos ciclos: queimei passado, entreguei sentimentos, fiz promessas e pedidos.Pedi proteção e orientação para o novo ciclo.

   Entreguei meus medos e pedi coragem. Agradeci toda a minha caminhada até o momento, os amigos que fiz, as pessoas que passaram pela minha vida, os desafios que enfrentei com coragem e aqueles outros que me rendi, os aprendizados e principalmente todas as autodescobertas.

   Me senti conectada com a terra, com minhas colegas, minha mestra, meu coração e toda a natureza que me cercava. Desisti de tentar ver o que se passava ao meu redor para enfim, olhar para dentro de mim mesma com muita calma, paciência e carinho. Me acolhi e me rendi ao momento.

  Saí com a cabeça cheia de perguntas e o coração pleno de agradecimento, e com a sensação que as respostas para todos os meus questionamentos estão dentro de mim, a espera de uma conexão para se manifestarem. 

    Talvez eu não encontre mais a maioria das minhas colegas mas o momento que compartilhamos foi único e criou um laço que nos uniu para todo o sempre: estaremos presentes pelo mundo e unidas por esse laço invisível que o ritual criou entre nós.

  Que sejamos felizes e capazes de tornar o mundo um lugar melhor mas que acima de tudo sejamos LUZ!!!

Muita luz e grandes recomeços a todos!!!

Não sou obrigada








                   O tempo realmente é um ótimo professor. Hoje eu percebo isso mais do que nunca. Algumas pessoas tem medo da passagem do tempo, de envelhecerem e dos sinais que o nosso corpo dá de que já não somos mais tão jovens assim como pensavamos.

           Eu penso que o medo de envelhecer acontece porque associamos isso a perdas: perdas de força muscular, capacidades físicas, fôlego, cabelos brancos... entre outras coisas. 

          Mas, e o lado bom disso? Eu consigo perceber claramente na minha vida o quanto o passar do tempo está sendo muito positivo pra mim e fazendo as pazes com os processos que o meu corpo está passando. Uma conclusão prá mim é óbvia: estou muito melhor agora do que a dez anos atrás: sei muito mais o que eu quero, o que me faz feliz, aquilo que me deixa em paz e o que me tira do sério. 

            Isso não significa que não posso mudar de opinião e começar a gostar de atividades, lugares e pessoas que há algum tempo atrás não faziam a menor diferença pra mim. Mudar sempre é possível!!! Experimentar situações novas, se propor novos desafios, novos aprendizados... isso é estar viva pra mim.

      O que concluo, ainda que provisoriamente, é que hoje não sou obrigada a mais nada (excluindo aqui os impostos e os compromissos financeiros),: posso escolher o que eu quiser sem ter que estar justificando muito as minhas escolhas, e ter minhas preferências tranquilamente. 

        Essas escolhas são muito mais minhas, e não sou obrigada a justificá-las para ninguém... e como isso é libertador!!! Não se sentir na obrigação de agradar ou fazer o que a maioria faz traz uma paz sensacional!

            E como tudo tem um preço: as pessoas começam a estranhar a sua maneira de agir e até mesmo se incomodar com isso, tentam te deixar culpada por não agir como esperam, te acham estranha, diferente, egoísta e por aí vai... Isso nem é tão "ovo de colombo" é apenas se colocar em primeiro lugar na sua vida e assumir totalmente a responsabilidade por ser feliz!!!

         Assumir tranquilamente as consequências das suas escolhas de vida e conviver com elas sem se sentir culpada.
    
      Não se sentir obrigada a nada... a não ser assumir a responsabilidade intransferível de construir a sua própria felicidade.

Muita luz  e "desobrigações" pra todos!!

E Setembro chegou!!!







      O mês de agosto finalmente acabou!!! Prá variar foi um mês cheio de desafios, descobertas e precisei de muito jogo de cintura e criatividade para enfrentar tudo o que aconteceu!!!

     Nem tudo foram coisas ruins, houve muito aprendizado, houve risos, alegrias, e muitas autodescobertas.

      Aprendi a me valorizar mais, me respeitar, acreditar na minha intuição e me perdoar bastante. Recomeçar foi a palavra de ordem do mês, mas , desta vez teve um gosto de conquista, de reavaliar o que me faz bem e me afastar de todas as coisas e pessoas que não faziam mais parte desse meu novo momento de vida. 

    Experimentei coisas novas, aprendi novos usos para coisas que eu já tinha e aprendi a olhar para dentro e para tudo o que conquistei com mais carinho e respeito. 

    Ainda estou muito longe da perfeição mas bem mais perto da pessoa que sinto que quero me tornar. Nesse mês aprendi que recuar, ter paciência e esperar são estratégias de vida que ainda preciso aprender e utilizar mais na vida. 

    Cada conquista tem o seu tempo e a espera é algo inevitável.

    O que espero de setembro? Prosperidade financeira, prosperidade profissional, paz na família e novas conquistas.

       Agosto, mês do meu aniversário foi bem agitado e sacudiu bem as bases da minha vida. Que venha Setembro e que seja um tempo de paz, harmonia e prosperidade pra todos.


Muita luz e prosperidade!!!!