Hora de fechar algumas portas!!!






    Olá gente boa...
         Quanto tempo ein!! Pois é muitas demandas da chamada "vida real" e pouco tempo pra ouvir o que realmente importa.

     Ás vezes, tudo o que precisamos é que uma porta se feche para concluirmos que o lugar para onde ela estava nos levando já não nos servia mais.

     Isso aconteceu comigo hoje: comecei a perceber para que lugar a porta que eu estava entrando me levava e achei melhor fecha-la. Não estou triste ou com raiva, mas apenas bem cansada, porque percebi que o que eu estava enxergando, não estava realmente lá e nem mesmo havia novas perspectivas.

   Pensei um pouco, refleti sobre algumas coisas importantes e achei melhor ir embora. Sem brigas. Sem discussões. Sem procurar culpados. Não quero gastar a minha energia nisso. Apenas fiz o que senti ser o mais certo e fui extremamente fiel aos meus sentimentos. 

     Tem muitas coisas que o dinheiro compra mas as que realmente valem a pena  não tem preço.

    Por um mundo com mais pessoas coerentes e portas para lugares mais bonitos.

Muita luz e novas portas pra todos.

A lição da cafeteira

     Antes que alguém diga: olha só tá fazendo propaganda da cafeteira X, já aviso: não tenho patrocínio algum e isso foi apenas uma incrível coincidência.
     Eu, como muitas pessoas que moram no sul do Brasil, conheço bem o que é frio e não dispenso um café!!! Independente da ocasião, café é sempre uma ótima escolha.
    Pois bem, eu sendo essa apreciadora de cafés, comprei a tal máquina e devido ao frio dos últimos dias, resolvi começar a usá-la novamente.
   Escolhi meu café com o maior cuidado e coloquei a tal máquina pra funcionar. Coloquei a primeira cápsula, liguei a máquina e pronto: primeira cápsula feita. Parti pra segunda: e percebi que o café tava super gelado!!! Horrível mesmo!! 
    Estranhei na hora!!! Pensei: ué? O que houve? Essa máquina já estragou? Examinei tudo: e vi que tava tudo conectado direitinho, coisas encaixadas nos lugares certos, mas o café ficou uma porcaria!!! Examinei mais uma vez e joguei aquela mistura gelada fora concluindo tristemente: putz minha máquina estragou!!! 
    Até que resolvi dar uma segunda chance prá máquina e finalmente percebi que meu café ficou gelado porque eu estava acionando o mecanismo pro lado errado!!! E fiz isso duas vezes!!! E demorei pra perceber o que estava fazendo errado!!!
   Na hora pensei: se pra uma coisa tão simples eu demorei a perceber que estava errando, o que dizer a respeito das coisas maiores, aquelas nas quais estou envolvida emocionalmente? Me perguntei na hora: quantas coisas não estão dando certo na minha vida simplesmente porque eu as estou conduzindo pro lado errado? Forçando as coisas pra direção errada por falta de atenção? Quantas coisas me parecem estarem totalmente encaixadas, prontas para acontecer mas não estão rolando? Será que não estou simplesmente conduzindo a minha vida, em alguns aspectos, na direção contrária? 
    Não seria melhor, eu parar e examinar um pouco e tentar uma outra direção? Ou simplesmente deixar as coisas fluírem?
   Fica a dica, às vezes, as coisas não estão dando certo na vida da gente porque estamos as conduzindo pro lado errado!!!

Muita luz e novas direções pra todos!!!

Mais sororidade, por favor!!! Mulheres elogiem mais umas as outras!!!




 
Oi gente, sei que ando meio sumida mas é que estou em reforma: há muita coisa mudando aqui dentro, coração e mente em tempo de reconstrução. Ando acionando muito meu "Eu observador" e percebendo muitas coisas. Inspirada pela Claudia Lebie, resolvi dar a minha contribuição sobre a sororidade: a compaixão e a simpatia por outras mulheres. Ontem me deparei com a seguinte cena: uma mãe gravidíssima, e com uma criança em um carrinho no supermercado. Em uma troca de conversa rápida com a caixa do supermercado, essa mãe confidenciou que já estava sentindo algumas dores e que ao ter ido no atendimento, foi dispensada. A caixa, solidária, recomendou que ela fosse imediatamente até o hospital e que exigisse ser internada. A mãe apenas olhou para seu outro filho e deu de ombros. Eu fui atendida em seguida, e a caixa comentava o quanto a tal mãe estava sendo descansada e desatenta com a situação. Minha reação primeira foi concordar com a caixa. Depois, pensei um pouco mais: o que será que essa mãe está passando? Será que ela tem com quem deixar seu outro filho? Tem um companheiro parceiro? Tem plano de saúde? Tem como sustentar esse outro filho? Essa e outras perguntas ficaram rondando a minha cabeça. Na saída, eu a vi no frio, com seu filho, esperando o companheiro para lhe ajudar. Na mesma hora resolvi perguntar se ela precisava de alguma ajuda e me aproximei para conversar. Ela agradeceu e ficou muito grata por ter tido alguém para conversar. E voltou a enrolar o seu cigarro. Sim, ela estava grávida e fumava. Na hora, liguei meu botãozinho do julgamento, mas antes de apertar fundo pensei: eu não sei quantas batalhas essa mulher teve que travar até esse momento. Não sei nada a seu respeito. Só sei que é mulher e mãe e isso já deve ser o suficiente para que eu lhe respeite e lhe honre sem reservas. É tão fácil julgar alguém... que tal fazer o caminho inverso? Honre uma mulher, a elogie, e seja solidária... o mundo precisa de mais amor e menos julgamentos!! #maissororidade


Muita luz pra todos!!!