Porque eu não sou obrigada a nada!!

Oi gente....
Vim aqui pra conversar com vocês sobre algo que aconteceu alguns dias comigo e me levou a conclusão que é título desse post.
 
     Bom, há algum tempo eu coloquei na cabeça que queria mudar o meu cabelo, pois estava cansada do mesmo look por quase um ano. Daí começou a minha trajetória em busca do cabelo novo.

   Comecei querendo platinar o meu cabelo: vi umas fotos e uns vídeos na internet, consultei uma cabelereira de confiança e me joguei!!! Eu já sabia que o meu cabelo, cultivado com muita hidratação e cuidado ao longo de um ano, iria sofrer um super estrago. Mas eu sou assim: adoro uma mudança no visual e vou com fé e coragem. Buenas, pra resumir a estoria, o cabelo ficou completamente destruído e nem um pouquinho perto daquilo que eu havia imaginado.
 
   Confesso que bateu um certo arrependimento: meu cabelo se foi e agora estava completamente estragado e me daria o dobro do trabalho ter que recuperá-lo.

    Outra vez me joguei nas internet e youtubes da vida a procura de salvação para o meu cabelo, até que dei de cara com vídeos sobre turbantes!! Daí me apaixonei: comecei a treinar as amarrações e a sair por aí com turbantes coloridos. Isso foi uma fase. Durou um certo tempo. 

    Mas, é claro que eu tinha que inventar outra coisa. Então, topei com uns vídeos de umas meninas que haviam sofrido problemas com o cabelo e resolveram a questão colocando tranças!! Pensei comigo: é isso aí!! Vou colocar umas tranças e dar um tempo pro meu cabelo descansar.

    Procurei por ai e encontrei uma profissional com experiência e coloquei as tais tranças!!! Foram cerca de umas seis horas sentada em uma cadeira. Uma verdadeira maratona!!

    Ao final me olhei no espelho e, não gostei muito do resultado final: tudo pareceu muito estranho!!! É o impacto do primeiro momento, eu pensei, daqui a pouco eu me acostumo.

    Bom... as coisas não foram bem assim não... houve dor na cabeça, calorão, desconforto e uma sensação muito estranha de "não estar me gostando no espelho". Resolvi esperar por um tempo pra ver se isso passava. Ouvi várias opiniões: muitas pessoas achavam legal e tal, outras apenas diziam "olha só cabelo novo ein!!" e muitas não me reconheceram na rua (essa parte foi até bem engraçada!!).

    Daí começou uma batalha interna na minha cabeça, um lado dizia "colocaste... agora tens que aguentar!!! pelo menos um mês!!" e outro dizia "ai que saco!! Eu não tô feliz e essa pessoa me olhando no espelho não me representa!!!"Fiquei dividida mas, mais inclinada a aguentar as tranças por pelo menos um mês.

     Então, por acaso, uma das tranças caiu. E eu decidi por minha conta, desmanchar todas as outras!! Afinal, se estavam me incomodando, por que ficar com elas na cabeça!!

    Afinal EU NÃO SOU OBRIGADA A NADA!! Simples assim. Uma bobagem. Uma certeza de que eu tenho o direito de mudar de ideia, pelo menos em relação a coisa que dizem respeito a mim essencialmente, quantas vezes eu quiser!!! Sem dar maiores explicações!!! Simplesmente por que naquele momento isso não me servia mais!!!

    E que alívio eu senti com essa descoberta!!! EU REALMENTE NÃO SOU OBRIGADA A COISA NENHUMA NESSA VIDA!!! Posso e tenho o direito fundamental de mudar de ideia o quanto eu quiser, em relação a qualquer coisa!!! Sim eu assumo e reivindico esse direito meu. Ponto final.

   Isso vale tanto pra cabelos quanto relacionamentos: eu posso escolher!!! As coisas na minha vida não são fatos aleatórios do destino, mas escolhas conscientes que eu faço, portanto, posso mudar de cabelos e de ideia o quanto eu quiser sem dar maiores explicações.

Desejo a todos muita luz e uma vida livre e cheia de escolhas!!

Uma palavra sobre intuição

     Oi gente boa., quanto tempo ein...
Bom, hoje vim até aqui para conversar sobre um assunto que vem, repetidamente aparecendo na minha vida: a intuição

    Confesso que, mesmo não estando muito conectada com a minha, acredito na sua força.

    Há muitos anos atrás, nos tempos em que não havia tanto conhecimento na minha vida e, portanto minha autocensura e autocrítica eram bem menores, era bem mais fácil entrar em contato com a minha própria intuição.

    Hoje em dia, isso já é bem mais complicado, porque eu adquiri um profundo senso de dúvida em relação aquilo que minha intuição está dizendo (principalmente se o que está me dizendo contradiz uma vontade consciente).

   O que acontece é uma pequena guerra interna entre aquilo que meu coração (que, pra mim é a fonte de toda intuição) e a minha mente: um lado fica contrariando o outro, e a mente, como é a mais ouvida sempre, é a que tem o maior número de recursos e que, por isso, acaba vencendo na maioria das vezes.

    Confesso também que estar conectada comigo mesma, e ouvindo a minha intuição atentamente, me deixa um pouco com medo: estou me conectando com algo totalmente novo e isso me assusta bastante, tenho a sensação de estar em uma outra frequência, diferente da maioria das pessoas.

    Em geral, quando isso acontece, eu tenho a nítida sensação de que o tempo está em uma outra velocidade: me sinto muito mais presente no momento e muito mais atenta a todos os detalhes: sons, cheiros e cores e tornam muito mais fortes. 

    Também há uma "parada"na escuta da mente racional e barulhenta: sinto muito mais do que falo, porque não vejo a necessidade de palavras mas, sim a necessidade de sentir e estar totalmente presente na experiência do momento. Nessas horas, às vezes, chego a questionar um pouco a minha sanidade!! 

   E percebo em mim a presença de um medo incrível que me faça ficar "presa" nesse mundo intuitivo e cheio de sensações: porque esse mundo da intuição, pelo menos pra mim, se baseia no sentir, no pulsar, sem julgamentos ou explicações.

    Nesses raros momentos em que me deixo levar pela intuição, percebo que a minha energia e criatividade alcançam níveis que normalmente não costumam atingir: uma vida média com preocupações mundanas não permite que haja espaço para a conexão e para a escuta atenta do que o seu próprio corpo e aquilo que o cerca está dizendo (e ele sempre está nos dizendo alguma coisa!!!). 

   O engraçado é que, às vezes, são necessárias repetidas sincronicidades para que eu permita que a minha intuição seja ouvida.

    Eu acredito que a nossa intuição é como essa figura que ilustra o post: um iceberg enorme e sobre o qual só conseguimos ver uma pequena parte durante o nosso dia a dia. É preciso um evento especial que nos faça parar, a fim de darmos alguma chance de escuta para a nossa intuição.

   Pretendo começar a dar mais espaço para essa intuição no dia a dia , fazer paradas e me escutar sem medo. Quem sabe que coisas incríveis eu irei descobrir?

Muita luz e muita intuição para todos.