A grande arte da costura

         Eu sempre gostei de costurar. Não sou uma costureira de mão cheia, como se diz por aí, mas faço as minhas costurinhas....gosto de me sentar na máquina e costurar alguns panos e pensar sobre a vida... sobre o modo como os fatos são costurados na grande colcha de retalhos que é a minha vida.                                                                                                                                                                    Tem alguns pontos tortos, alguns tecidos estão costurados com pontos mais soltos e há fios sobrando com certeza... mas essa é a minha costura... feita com todo o amor possível.
           O meu coração já foi rasgado muitas vezes. Já foi arranhado. Roubado. Mas eu o recuperei mesmo tendo demorado um pouco. Me refiz e o recosturei com novos tecidos, porque afinal, como diz a imagem acima a vida é feita de recomeços. Aprendi que por mais que a costura pareça solta e sem forma, no final tudo acaba bem.

Muita luz e muitas costuras pra todos!!!
Laís Ribeiro

Trilha sonora de hoje...Full circle

               Essa música é um rock que marcou momentos muito importantes na minha vida. Momentos decisivos. Viradas. Furacões... mudanças imprevisíveis...mas mudanças boas, inesperadas e cheia de desafios.
            Hoje, o destino com sua lógica engraçada, fez com que ela tocasse exatamente no momento em que algo que eu havia "perdido" foi retomado... foi muito engraçado mesmo...
Entre muitas coisas, essa música fala sobre duas ideias que sempre aparecem na minha vida.
           A primeira diz que "Love is love reflected" - amor é amor refletido.... ou seja, todo o amor que sentimos é aquele que refletimos, e da mesma maneira, todo o amor que recebemos é proporcional a aquele que estamos dispostos a doar. Amor é sempre troca e doação e isso é o mais bonito sobre esse sentimento...
          E a segunda afirma que a vida é um ciclo completo: as coisas terminam para dar lugar a outras e assim, a vida é feita de ciclos, alguns mais longos e difíceis e outros mais suaves, divertidos e interessantes. Cada ciclo surge para proporcionar um determinado aprendizado e só termina depois que a lição foi aprendida. Sempre é assim. Lutar contra isso é perder tempo. Há momentos de muita alegria, diversão, conexão e momentos de dor, luto e despedida, tudo isso faz parte desse grande ciclo que é a vida.
           Hoje, sinto que algo terminou e alguma coisa muito boa está prestes a começar... que venha esse novo ciclo... te espero de braços e coração abertos!!!

Muitas luz e novos ciclos pra vocês!!!
Laís Ribeiro

As marcas que a vida nos deixam



                Hoje eu fui fazer um exame médico. Situações assim sempre me deixam apreensiva porque nunca sei o que esperar e como me comportar. Tive que me adequar a todos os tempos de espera protocolares até ouvir o médico me chamar .
               Entrei no consultório um pouco desconfiada e aguardei que o médico começasse a me fazer perguntas e a me examinar. Eu já estava começando os procedimentos de rotina quando o médico me perguntou:  a senhora está bem? Sim , eu respondi, apenas um pouco dolorida. Marcas ,ele me disse, eu quero marcas, porque dor eu não posso medir. Me recompus, um pouco decepcionada mas, sai de lá pensando: e as marcas do meu coração não valem? E a dor de todos os desapontamentos e expectativas frustradas não contam?
             Sim , porque se formos considera las  passaremos muito tempo conversando sobre isso. Há marcas, machucados e cicatrizes de vários tamanhos e idades. Alguns já cicatrizados servem de lembrete, outros ainda doem um pouco em situações específicas e alguns, e talvez a maior parte, sejam as tais marcas que o médico falou. Cicatrizes que não podem ser mais apagadas ou disfarçadas e que servem pra contar a minha estória e são parte importante de mim. Confesso que, sempre que possível prefiro esconde – las mas sei que estão presente e bem vivas. Não me deixam amarga ou descrente, mas apenas um pouco mais cuidadosa e prevenida.
               Por isso, aí vai o meu recado para esse médico: sim, doutor,  tenho muitas marcas, bem sérias e bem profundas mas, o senhor precisaria me conhecer e me ver como um ser humano para percebê –las.

 Muita luz e poucas marcas pra vocês!
Laís Ribeiro 

Existe o cara certo?

Existe a pessoa certa?

       Como diz a frase acima, talvez não haja os momentos certos, os caras certos e as repostas certas.
          A vida é feita de pequenos momentos, pequenas felicidades, coisas pequeninas que transformam o nosso dia: pode ser uma mensagem de bom dia, um sorriso de um estranho, um elogio, um abraço mais apertado e inesperado... eu, confesso, estou vivendo momentos bem complicados: um acidente de carro, uma dor de garganta bem chatinha uma dose extra de carência no meu mundo interior... tudo passa me disse um amigo... mas essa fase tá bem pesada... sinto que o universo está tentando me dizer alguma coisa que eu não estou conseguindo entender.
          Sobre o tal “ cara certo “,  se ele existe mesmo, devemos estar em universos paralelos, porque só tenho encontrado pessoas que despertam as mais loucas expectativas. Pessoas que só estão de passagem e eu, fico esperando e torcendo para que fiquem. Nem quero muita coisa, só alguém que esteja disposto a ficar do meu lado, que me trate como todo o carinho e respeito que eu tenho certeza que mereço e que se disponha a receber esse amor todo que eu tenho pra oferecer. Só isso. Alguém que eu possa abraçar depois de um dia cheio e que seja capaz de dizer que as coisas vão melhorar e que isso é só uma fase ruim.
          Sobre  as respostas certas... essas eu tenho certeza de que não existem. Há possibilidades de respostas e muitas perguntas ainda para serem respondidas. Sou do tipo que prefere ter mais perguntas do que respostas... a vida é  muito complexa para se saber de tudo!!!

Muita luz e muitas perguntas pra vocês! !
Laís Ribeiro 

Sobre a vulnerabilidade

Sobre ser vulnerável


Nessa última  sexta feira me senti assim. Presa, amarrada e indefesa.
Sofri um acidente de carro e passei pela experiência de ser carregada em uma ambulância. Não foi uma boa experiência. Me senti vulnerável e fragilizada. Nas mãos de outras pessoas. Eu não sabia o que iria acontecer e isso me deu muito medo. Eu que amo controlar as coisas me senti totalmente  a mercê  dos acontecimentos e das pessoas.
O acidente não foi nada sério. Foi muito mais susto do que qualquer outra coisa.
A vida é muito frágil e merece ser respeitada e preservada em todas as suas formas. E a liberdade de saber o que vai acontecer também faz parte disso. Sentir se como um ser sem voz e sem liberdade de expressão não pode ser algo a ser aceito como parte protocolar de qualquer tipo de ritual. Não pude deixar de pensar o quanto nos deixamos levar pelo piloto automático da vida e nos deixamos ser controlados pelos acontecimentos, calamos a nossa voz, e nos acostumamos a determinadas amarras que deixamos a vida nos colocar.
Deixo aqui meu desabafo e meus agradecimentos a todos que se preocuparam comigo, mandaram bons pensamentos e mensagens positivas. Muito obrigada.

Muita luz para todos!!
Laís Ribeiro

Receita de amor!!!!



                 Eu sei que o amor  não tem receita e que cada amor é uma experiência  única. Já vivi muitos amores de vários tipos... cada um me proporcionou um aprendizado e me marcou muito. Hoje acredito  que há amores de várias intensidades e alguns, sim, tem prazo de validade.
              Um dos meus maiores amores são os livros. Como eu já disse aqui antes, eles são os meus mais fiéis companheiros.  Chega ser até mesmo engraçado,  porque  sempre que estou triste ou perdida, acabo por encontrar um livro que me responde, orienta e consola . Hoje foi assim, encontrei um livro chamado Por onde andam as pessoas interessantes? De um autor chamado Daniel Bovolento. Um livro incrível,  engraçado,  divertido, comovente, daqueles que não dá vontade de parar de ler. Lá encontrei essa belíssima receita de amor que divido agora com vocês : “  Amor de verdade não segue receita nenhuma, não funciona de segunda  a sexta em horário comercial, não é uma ciência exata. Amor é da área das humanas. E a gente sabe que o forte das humanas é a construção  da narrativa.”
        São poucas palavras que são capazes de descrever  de maneira perfeita o que é o Amor. Eu, particularmente,  adorei!!! Mal posso esperar para construir  muitas narrativas lindas na minha vida.


Muita luz e muitas narrativas pra vocês!!!
Laís Ribeiro

Meu remédio por esses dias...

Meu único alívio é dormir.
Quando eu estou dormindo, eu não estou triste,
Eu não estou furiosa, eu não estou sozinha,
Sou somente eu e eu mesma... ninguém pode me machucar!!!

Bom sonhos pra todos...
Laís Ribeiro

Eu estou triste...

Hoje eu chorei muito... como há tempos não fazia... tinha até me esquecido quanta dor tinha aqui dentro...
É incrível a quantidade de decepções que uma pessoa pode acumular até não aguentar mais... até transbordar... hoje eu transbordei muito e percebi que tenho muita coisa ainda pra colocar pra fora...tem tanta dor e tanta expectativa aqui dentro...
Vou começar a deixar essas coisas todas saírem aos pouquinhos... senão não vai sobrar muita coisa de mim...
Pode ser que chorando assim eu consiga começar a me perdoar... afinal, só se pode receber o amor que a gente acha que merece!!!

Muita luz e transbordamentos pra todos!!!
Laís Ribeiro

Conto de uma noite


               Tudo começou em uma fila de bar. Conversas bobas sobre quem tocaria naquela noite, o quanto a fila estava longa e demorada. As meninas simpáticas e falantes, o amigo quieto e reservado. Possuía um sotaque. Quando  perguntado de onde ele era respondeu: sou daqui mesmo, mas morei em muitos lugares. Depois silenciou e voltou a beber a sua cerveja e a conversar com as suas amigas. A fila andou e as pessoas entraram no bar e se separaram.
         Quer dizer, se separaram o quatnto foi possível, pois o lugar era pequeno e estava cheio de gente. A música estava bem alta e o repertório  da noite aquele de sempre: algum rock e muito pagode e samba pra animar. Havia ainda uma segunda pista com música mais variada e menos previsível
 (  o tanto quanto é  possível  escapar da super marola sertaneja), alguma música eletrônica. Tudo de acordo com o protocolo de sempre. Houve mais alguns encontros, algumas trocas de olhares. Uma volta e meia depois, estávamos todos juntos novamente:  o pessoal da fila e eu dançando juntos.
           A noite e a bebida acabou por deixar as pessoas mais soltas e descontraídas.  Surgiu a vontade de se conhecerem melhor, conversarem mais. A inibição abandonou as pessoas e, resolveram seguir as suas vontades.
          Então as pessoas conversaram.E falaram sobre si, seus sonhos, sua vida até o presente. E compartilharam momentos e fizeram confidências.
          Desse encontro, em uma fila de bar, pode ter nascido uma amizade. Alguns deixaram o encontro cheios de curiosidade  e expectativas,  outros, mais reservados,  com sentimentos não revelados.
          Esse conto está ilustrado com a figura de um presente. Explico-me melhor: eu acredito que todo o encontro é sempre um presente, algo que surge do inesperado,é desconhecido  e sempre uma surpresa. A grande questão é saber se queremos o presente na nossa  vida ou se será apenas mais uma “tralha” para ocupar  espaço  na nossa vida e no nosso  coração. Sobre esse presente eu ainda não me decidi...
E vocês , tem sido “presentes” ou “tralhas” na vida das pessoas?



Muita luz e bons presentes pra todos!!!
Laís Ribeiro

Costurando e criando


           
       No domingo  passado foi meu aniversário e ,dessa vez, ao contrário  do ano passado resolvi celebrar na minha casa. Nada de coisas muito elaboradas. Somente um chá com aqueles que se lembrassem. Pois bem, preparar cenários é algo que eu gosto muito e no meu aniversário  não seria diferente.
           Fiz aquele velho ritual de sempre : imagino um  cenário,  escolho um tecido e mãos à  obra. Costurei uma toalha fofa e dois enfeites para colocar na parede. O mais engraçado de tudo, é que fui fazendo  as coisas aos poucos e uma idéia puxou a outra. No final das contas passei a tarde envolvida com a tarefa e nem vi o tempo passar. Adorei passar a tarde entre linhas, tecidos e tesouras... Tinha até me esquecido o quanto isso me faz bem.                          
         Depois de uma tarde assim, fiquei  com a cabeça cheia de novos pequenos projetos que, em seguida espero começar . Duas lições ficaram da costura para a vida: confiança  é tudo, uma vez que você aprendeu fica tudo guardado  dentro  de você esperando pra sair. A outra lição é, vai contudo, com medo, com  dúvida, mas arrisca e confia sempre.
 No final sempre vai ficar bonito porque  você se colocou em movimento e se entregou por inteiro na tarefa. E, depois, como diz uma pessoa que eu admiro muito “ melhor feito do que perfeito”.

Muita luz e muitas costuras pra vocês! !!
Laís Ribeiro

Eu, velha e louca... quem nunca?

               Domingo, dia 16 é o meu aniversário.Uma data repleta de sentidos e isso é só uma parte de tudo o que passa na minha cabeça.Cada aniversário vem e traz consigo uma mini crise pessoal e uma série de questionamentos.
            O que eu estou fazendo da minha vida? Qual é o legado que eu estou deixando para o mundo? Eu estou conseguindo ser feliz? Eu ainda acredito nas mesmas coisas? Eu tenho esperança?
           Cada dia que passa tenho mais medo de ter passado pelo mundo de uma forma medíocre e desconectada das coisas que eu acredito e valorizo. Não tenho pretensão de ser um ícone ou um símbolo de alguma coisa: só quero ter a certeza de ter vivido uma vida plena, de ter estabelecido ou cumprido uma jornada fiel a mim mesma, porque acredito que isso é o maior presente que uma pessoa possa dar a sim mesma.
           Já andei experimentando vários caminhos:religião, casamento, trabalhar enlouquecidamente, ser uma super mãe, a filha mais dedicada...mas nada disso funcionou... acho que vou trocar de estratégia.
          Prá variar, e fazer diferente... vou tentar a leveza... levar uma vida menos séria e com mais sorrisos... com menos "eu vou" e com mais "talvez eu vá"; com menos "eu quero isso" e mais "deixa descobrir o que eu quero"... Mais leveza, mais suavidade, mais perguntas e menos certezas...
Quem sabe, eu esteja mais como essa moça que canta a canção que ilustra esse post "Velha e Louca"... ela canta..."eu tô ficando velha... eu tô ficando louca", e, pra falar a verdade, não estou me importando muito com isso não!!!

Muita luz e loucuras pra todos!!!

Laís Ribeiro

Feito pra acabar

              Acho que todo mundo sonha ou já sonhou em se casar. Pode ser do modo tradicional, de véu e grinalda. Compartilhando com a família e os amigos, repartindo a alegria e contando com as bençãos e o apoio das pessoas importantes. Ou de uma maneira mais simples e íntima.
             Eu já me casei no modo tradicional. Foi bom dividir os momentos com a minha família. Teve bolo. Teve champanhe, churrasco e canseira. Houve eventos engraçados, atrasos, correrias e alguns sustos. Muitos parabéns, abraços, choro, votos de felicidades. Naquele momento as coisas pareciam fazer sentido; ciclo natural/normal da vida. Eu fui feliz. Muito feliz.
          A "sensação lembrança" que tenho do meu casamento é de um cansaço muito grande. Eu só queria que tudo acabasse bem.
        Bom, aqui estou eu. Quase dez anos depois lembrando de tudo. Em outro momento de vida. Muita coisa aconteceu. Aquelas promessas todas não foram cumpridas. Não foi falta de cuidado, atenção ou dedicação. Foi apenas um ciclo que chegou ao fim. Infelizmente. Ficou o aprendizado e um pouco de dor.
         Se eu fosse me casar de novo hoje, acho que faria tudo diferente. Eu não gostaria de festa ou badalação. Tudo seria muito simples. Eu me casaria em um jardim ou em uma praia na presença de uns poucos e fiéis amigos e da minha filha.
        Me vestiria de branco (porque sim, eu acredito na esperança) e colocaria flores nos cabelos, os pés, talvez estivessem descalços.
        Eu caminharia sozinha em direção ao homem que amasse, talvez com alguma música suave, ou apenas ouvindo os sons que a natureza me oferecesse, com calma, certeza e  em paz.
       Isso tudo é apenas um sonho. Um sonho muito bom e muito bonito. Mas, afinal, o que é a vida senão um grande sonho?

Muita luz pra todos!!!
Laís Ribeiro

Aprenda a responder... não a reagir

Oi gente...
        Hoje vi essa mensagem e senti que ela falava comigo: não aprenda como reagir, aprenda como responder
       Li isso e fiquei pensando que, na maior parte do tempo, passamos muito mais reagindo aos fatos que nos acontecem do que procurando aprender o que eles estão tentando nos dizer ou nos ensinar.
        Fomos condicionados, possivelmente pelo nosso sistema escolar, a responder a tudo o que nos acontece: a sempre ter uma resposta pronta pra tudo, mesmo que não seja uma resposta sincera ou que não faça nenhum sentido para nós. 
        Se alguém nos critica, prontamente respondemos nos justificando ou acusando o outro de nos tratar de uma forma injusta.Se nos elogiam, costumamos desconfiar das intenções de quem nos elogia ou simplesmente não aceitar o reconhecimento por algo que alcançamos por nossos méritos e esforços. É difícil não reagir: estamos acostumados a pensar que o mundo sempre estará esperando algum tipo de resposta nossa.
         Penso, então, quantas coisas deixamos de aprender e desfrutar por que não aprendemos a lidar de forma sadia com as interações que temos com o mundo. Parece não haver tempo para desfrutar dos aprendizados, por mais duros que nos pareçam ser, e assim, de erro em erro, continuamos insistindo em uma vida sem sentido que só nos machuca. Insistimos em empregos que nos fazem infelizes, em modos de vida que não nos parecem os mais adequados para a gente (escolhemos por critérios errados nossa "religião", nossos amigos, onde moramos, como nos alimentamos, como cuidamos de nosso corpo..), em relacionamentos com pessoas que não nos valorizam ou mesmo se importam conosco, movidos muitas vezes por instintos de vaidade e resposta. Há pessoas, me arrisco dizer, e por momentos me junto a esse grupo, que simplesmente não vivem, apenas reagem: reagem as circunstâncias e vão sobrevivendo em um modo de vida conhecido como piloto automático.       
            A vida perde todo o brilho e passamos o tempo todo correndo para tentar satisfazer um grande vazio que se cria dentro da gente; vale tudo: comida, bebida, remédios, pessoas, cigarros, outros empregos, amantes... e por aí vai... tudo para tentar preencher um vazio que cada vez aumenta mais.
         Uma saída me parece ser aprender a escutar a si mesmo e as lições que a vida a cada momento nos apresenta. Dar um tempo para perceber o que merece e precisa ser respondido e qual a melhor maneira de fazê-lo. Uma coisa é garantida: a pressa vai nos levar a responder de maneira inadequada,pois, como se diz por aí, todas as coisas na vida tem um tempo, e há um tempo para cada coisa. 
           Desejo a todos uma vida plena de momentos de aprendizados e respostas sem pressa, porque acredito que a beleza da vida está em esperar e procurar pelas respostas e não apenas responder.

Muita luz e respostas para todos!!!!
Laís Ribeiro.

Sobre a necessidade de ver gente

            Mesmo não sendo apreciadora de "junções", especialmente se for na minha casa, eu confesso: eu amo ver gente.
           Sentar em um lugar público e ficar apreciando o vai e vem de pessoas, representa um dos poucos e menos dispendiosos prazeres que eu tenho na vida.
          Me alimenta a alma ficar observando as pessoas e ficar tentando adivinhar o que as motiva, quais são seus sonhos, do que elas tem medo, quais são seus arrependimentos, do que se orgulham...
        Eu observo os senhores de cabelos brancos e aspecto (responsável?!) e fico imaginando que um dia forma o bebê de alguém... que foram esperados, celebrados, repreendidos...
       E os jovens... com seus fones de ouvido e sua atitude de donos do mundo... cada um deles vivendo um mundo particular, com sua própria trilha sonora, andando por aí cheios de sonhos e esperanças de mudar o mundo, e de fazer a diferença... alguns um pouco mais sérios já com cara de adultos, com andares mais firmes e apressados, conferindo seus relógios e falando nos celulares...
       De modo geral, as pessoas "adultas" me parecem sérias demais, como se a seriedade impusesse uma espécie de respeito: agora que sou um "adulto", sorrir e sonhar não fazem mais parte do meu mundo e preocupações, horários a cumprir, contas a pagar...
Fico me perguntando se eu também ando tão séria assim pelo mundo... eu espero que não... a vida é muito bonita e muito imprevisível para tanta seriedade!!!

Muita luz e sorrisos pra todos!!!
Laís Ribeiro

Uma festa de aniversário de alguém muito especial!!!

         Ontem foi o aniversário de uma pessoa muito importante na minha vida. Uma pessoa que mora no meu coração desde sempre e que faz parte de tudo o que eu sou... é uma das minhas fontes... das minhas raízes e tem uma importância tão grande na minha vida... que não faz ideia.
         Fui até lá na casa dela, dar um abraço e comemorar com ela e suas amigas essa data tão especial. Fui para fazer companhia e conversar... e acabei me divertindo muito!!!! Encontrei quatro outras mulheres muito especiais e divertidas: três delas professoras e uma empresária. Bom, se falo de professoras, é certo que o divertimento é garantido: é praticamente impossível estar com professoras que gostam do que fazem e não se divertir, dar umas boas risadas e é claro, falar dos alunos.
          Pois bem, cada uma delas tinha um quê especial: uma delas mais quietinha, veio com a filha e me pareceu de uma doçura e delicadeza incomparável. A outra, mais decidida, mais forte, divertidíssima e com uma visão super positiva da vida. A terceira, mais elegante, toda bonita, faceira, um pouco mais calada mas não menos espirituosa. Então temos uma terceira: a empresária. Doçura e bom humor seriam duas palavras que primeiro me vem à cabeça quando me recordo de sua presença: divertida, engraçada, de bem com a vida, faceira com a possibilidade de ser vovó (ela nos confessou que isso era uma das coisas que ela mais queria), já está fazendo mil planos.
        Mulheres diferentes, cada uma com sua própria estória de vida, que se encontraram, em pleno dia dos pais para comemorar o aniversário de uma terceira. Isso só poderia acabar em muita risada e divertimento!!! Me senti feliz, acolhida e muito leve... Estar com pessoas é algo incomparável, trocar experiências, confidências, pedir conselhos.... adorei conhecer todas vocês gurias... espero que haja outras oportunidades pra gente se encontrar... sinto que tenho muito a aprender com vocês...

Um grande beijo e muita luz pra todas!!!

Laís Ribeiro.

Sábado a noite

       Essa música representa um hino pra mim: sábado à noite é sempre cheio de promessas... promessas de divertimento, de descontração de coisas boas e divertidas...
      Os sábados são sempre sagrados pra mim... é o meu dia de me liberar, dançar e me divertir.... o que vale são as promessas dos encontros, a música boa, a dança, ver gente nova... se renovar e encontrar muito assunto pra esse blog...
     No último sábado foi assim: muita dança, muita risada, muito divertimento. Recomeço a semana cheia de energia e com a cabeça a mil... Agradeço ao universo por mais esse sábado à noite.
Só faltou uma boa companhia... mas isso irá se resolver com o tempo!!!
E deixo aqui o meu pedido: por uma semana com mais sábados à noite!!!

Muita luz e muitos sábados pra todos!!!
Laís Ribeiro

Descontrole da Crespa!!!: Um encontro feliz

Descontrole da Crespa!!!: Um encontro feliz:           A estória a seguir é baseada em fatos reais.          Era uma vez duas pessoas, um homem e uma mulher vivendo em mundos complem...

Um encontro feliz

          A estória a seguir é baseada em fatos reais.
         Era uma vez duas pessoas, um homem e uma mulher vivendo em mundos complemente diferentes. Se. por acaso se cruzassem na rua não perceberiam a presença um do outro.
Pois, quis o acaso, com seus mecanismos inesperados, e com uma certa ajuda da tecnologia, que essas duas pessoas se encontrassem.
       A ocasião foi preparada e planejada. E o encontro aconteceu. Houve muita conversa e risada. Confidências e estórias de vida. Duas pessoas adultas e livres conversando e se conhecendo.
      Ela, insegura e falante. Um pouco tímida e cheia de expectativas. Sentindo-se encantada. Fazia muito tempo que ninguém lhe tratava de uma maneira carinhosa e com uma escuta tão atenta. Ele não era bem o seu tipo: não era alto, nem indisponível, nem apressado ou desinteressado. Mesmo assim, ela pagou pra ver. A sensação era boa. Ela estava encantada.
     Ele, tímido, silencioso, observador. Um ouvinte carinhoso, um homem gentil. Apaixonado pelo seu trabalho e apreciador da solidão no ato de criar, uma pessoa social dentro de alguns limites bem definidos. Um homem carinhoso, gentil e atento que sabe se divertir sem neuras.
      Os dois conversaram muito e depois saíram pra dançar. E assim o fizeram. Dançaram. Riram. Se divertiram.Sem neuras e sem pressões. Duas pessoas se conhecendo.
     Uma coisa é certa: esse encontro fez nascer algo muito novo e bonito. Acho muito cedo para falarmos em nomes, e em nos apressarmos em dizer se isso é X ou Y. É algo novo que está sendo construído um pouco a cada dia. 
Tenho fé de que se trata de uma coisa muito boa.

Muita luz pra vocês!!!

Laís Ribeiro

Strenght, courage and wisdom ( Força, coragem e sabedoria)




Porque hoje é sexta, deixo com vocês uma das músicas mais inspiradoras que eu já ouvi!!!
A música toda fala sobre a importância de encontrar nossa própria voz e de escutar e confiar na nossa própria força: aquela que todos temos e que mora no nosso coração.
Deixo vocês com o refrão traduzido. Vale muito a pena!!

Eu tenho achado força, coragem e sabedoria,
Estava dentro de mim há muito tempo.
Força, coragem e sabedoria dentro de mim.

Muita luz, coragem e sabedoria pra todos.
Laís Ribeiro

Descontrole da Crespa!!!: Não se preocupe, a luz vai te encontrar!!!

Descontrole da Crespa!!!: Não se preocupe, a luz vai te encontrar!!!:           Há dias na vida da gente que parece que tudo estar coberto por uma sombra. As cores ficam opacas. os sons ficam mais abafados. ...

Não se preocupe, a luz vai te encontrar!!!

          Há dias na vida da gente que parece que tudo estar coberto por uma sombra. As cores ficam opacas. os sons ficam mais abafados. Não temos apetite nem animo para nada. A vontade, em dias como esse, é ficar enviada na cama debaixo das cobertas, ficar bem quietinha, esperando a sombra ir embora.
        Todo mundo tem seus dias de sombra. Alguns duram por muito tempo, dias, meses, estações; já outros conseguem se recuperar mais facilmente. Eu já participei do primeiro time e de vez em quando tenho vontade de me juntar à ele novamente. Mas, agora, avalio melhor e, porque me conheço mais, já sei como lidar com essa sombra.
        Não há receitas mágicas aqui. Há experiência e fatos. Luz e sombra se observados como fenômenos na natureza, são complementares, ou seja, para que um exista é preciso que o outro se faça presente. Isso é um fato. Não há como ignorar isso.
       Mas a sombra sobre a qual me refiro é um pouco mais complexa porque ela vem de dentro e nos impede de brilhar e de reconhecer a beleza das coisas e das pessoas. Ela nos paralisa. (ou será que somos nós quem deixamos que ela faça isso?)
     O segredo, me parece ser, aprender a conviver com esses períodos e vivê-los sem resistência, sem animação fingida. Fique triste o tempo que for necessário. Não há problema algum nisso. Só não esqueça que a luz está sempre lá, e permita que ela entre.

Muita luz pra todos!!!

Laís Ribeiro

Descontrole da Crespa!!!: Quanto tempo você tem, afinal?

Descontrole da Crespa!!!: Quanto tempo você tem, afinal?: "All I know, all the time we have is borrowed" Alicia Keys          Eu ouvi essa música outro dia no rádio... e não pude de...

Quanto tempo você tem, afinal?

"All I know, all the time we have is borrowed" Alicia Keys

         Eu ouvi essa música outro dia no rádio... e não pude deixar de acreditar na verdade simples dessas palavras. Um tradução poderia ser essa: " Tudo o que eu sei é que todo o tempo que temos é emprestado"
         Há momentos em que eu fico mais reflexiva, e especialmente esse mês, que é o do meu aniversário, algumas coisas começam a fazer um outro sentido e me convocam a pensar mais seriamente sobre elas.
        O tempo é uma dessas coisas. Renato Russo já dizia "Temos todo o tempo do mundo". Mas que tempo é esse?O que queremos fazer com ele?Como podemos aproveitá-lo melhor?
       Há um grupo de pessoas que pensa que todo o tempo deve ser ocupado no exercício de algum tipo de atividade: trabalhar, estudar, brincar, escrever... o essencial é usar todo o tempo "produzindo" alguma coisa. Coisas simples e comuns do dia a dia viram perda de tempo: passar a tarde lendo ou vendo um filme; dormir; sair pra caminhar sem destino certo, conversar com outras pessoas, ouvir estórias... às vezes tenho a sensação que estamos sempre correndo atrás de alguma coisa, sempre protelando ou projetando a nossa chance de felicidade para um futuro, sobre o qual nem temos muita certeza se virá.
       Já um outro grupo, pensa que o tempo deve ser utilizado de várias maneiras, por que acreditam que ser feliz envolve muito mais que apenas trabalhar/produzir. É preciso ter um tempo para descansar e se inspirar: momentos a sós pra se curtir, respirar e pensar sobre a vida. Essas pessoas pensam que todos os momentos são especiais e tem sua própria sabedoria que deve ser aproveitada da maneira mais livre possível.
       Portanto, volto à música, se todo o tempo que temos é emprestado, penso que devemos aproveita-lo da melhor maneira, seja produzindo ou seja apenas se inspirando... o importante é ouvir e fazer o que o seu coração esta lhe pedindo e, principalmente, usar com todo carinho e atenção plena esse "empréstimo".
       E vocês? O que estão fazendo do seu tempo?Já pensaram sobre isso hoje?

Muita luz e muito tempo pra todos!!!

Laís Ribeiro

Uma pitada de coragem

           Hoje eu parei pra pensar o quanto as pessoas tem o hábito de reclamar das suas vidas: empregos,relacionamentos, dinheiro, peso, clima, trânsito...parece que estamos envoltos em uma nuvem muito densa de descontentamento. Não condeno de todo essa atitude, alguns eventos são realmente muito desconfortáveis e só uma pessoa sem "sangue nas veias" conseguiria não se irritar e não reclamar.
           Eu me enquadro nesse grupo das pessoas reclamonas com muita frequência!!!Reclamar me parece a atitude mais confortável diante de qualquer problema: geralmente achamos um ou mais culpados e tudo fica do mesmo jeito. Na verdade, acabamos por deixar mais pessoas chateadas e contaminadas com o nosso mau humor.
           O mais engraçado disso tudo é que, como já disse alguém por aí, queremos resultados diferentes mas continuamos fazendo as coisas do mesmo jeito!!! Queremos um emprego melhor mas não somos corajosos o suficiente pra largarmos aquele emprego de "apertador de parafusos" que não nos faz nem um pouco feliz. Estamos a procura de uma pessoa para compartilharmos a vida mas, quando encontramos alguém acabamos por sufocar o outro com nossas expectativas ou lhe impor um milhão de exigências. Nossas roupas já não nos servem direito mas continuamos a consumir comidas nada saudáveis e viciantes que nos oferecem um conforto psicológico temporário ( e isso eu posso dizer de cadeira!!! Eu adoro chocolate e porcarias... principalmente quando estou chateada!!!) E a lista continua...
        Me desculpem agora por dizer o óbvio: pra novos resultados adote novas atitudes!!! Procure um novo emprego ou um sentido naquele que você desenvolve (mesmo que seja um apertador de parafusos/escritor/ cantor); permita-se conhecer novas pessoas em lugares que você nunca foi, receba com um sorriso e o coração aberto aquele convite para um café que aquele seu amigo vem lhe fazendo a tempos; procure fazer exercícios nem que sejam apenas caminhadas, ouvindo músicas bacanas e animadas, descubra novas maneiras de usar roupas que valorizem o seu corpo e comece a se amar e se aceitar (mas não deixe pra depois a necessidade de arrumar aquilo que você acha que não tá legal); quando estiver chateada, dê uma caminhada, converse com um amigo, escreva, chore um pouquinho...
         Eu sei que é preciso ter coragem pra mudar as coisas e que nem sempre isso é um trabalho fácil. Acho que o segredo é igual aquele que aprendemos quando começamos a caminhar... um passo de cada vez, e nunca deixar que os tombos ou a falta de habilidade nos impeça de procurar aquilo que nos faz feliz!!

Muita luz prá todos.

Laís Ribeiro

Agosto chegou!!! Seja bem vindo!!!

        Começou o mês de agosto!!! O mês comumente chamado de mês do cachorro louco!!
Buenas... gente eu sou uma pessoa que nasceu em agosto e talvez essa fama do mês se justifique um pouco... só quem me conhece pode dizer isso!!!
          Escrevo aqui para contar o meu desafio do mês: escrever um post por dia nesse blog!!! Aja inspiração!!! Tô com a cabeça cheia de idéias ao estilo do mês... aguardem!!!

Descontrole da Crespa!!!: Férias de minha vida

Descontrole da Crespa!!!: Férias de minha vida:              Tenho esse hábito de me dar umas férias de vez em quando. De tempos em tempos, faço uma viagem e me afasto da minha roti...

Férias de minha vida



             Tenho esse hábito de me dar umas férias de vez em quando. De tempos em tempos, faço uma viagem e me afasto da minha rotina que, às vezes, me sufoca.
             Por uns poucos dias eu me desligo de tudo e deixo que o acaso me oriente.Uma das únicas regras desse tempo é experimentar alguma coisa nova, algo legal que me relaxe e me inspire. Sempre há alguma coisa relacionada a livros, lugares e pessoas novas. Dessa vez, por conta de uns processos internos de revisão de vida e estabelecimento de prioridades, selecionei muito melhor os livros, os lugares e as pessoas. As regras dessa vez foram duas: nada de pressa e quantidade não é qualidade.               Escolhi cuidadosamente os livros e um dos que foram comprados, vai virar um post em seguida. 
         Sobre os lugares: um deles foi o mesmo de sempre mas, me permiti conhecer dois lugares novos muito legais. Me diverti muito e criei memórias afetivas muito importantes. Procurei olhar os lugares de uma outra maneira, priorizando os detalhes e o clima que o ambiente me transmitia: a luz, o movimento das pessoas, as cores e os sons.
         Quanto as pessoas... isso vai ser dito com mais detalhes na sequência. Posso adiantar dois momentos diferentes e uma sensação de acolhimento, respeito e carinho que ambos me proporcionaram. Fazia muito tempo que eu não encontrava tanta gente querida e talentosa junto.Uma coisa já posso adiantar... não há nada mais inspirador e motivador do que o afeto.
         Voltei para casa cheia de saudades da minha filha e com a cabeça cheia de ideias.Também há um pouco de sono atrasado e um joelho roxo por conta da minha distração habitual.
        Acredito que precisamos treinar o nosso olhar para ver as coisas sob uma outra perspectiva, desconstruir um pouco as certezas , se liberar de alguns preconceitos e nos permitir viver de uma maneira mais livre.
        Quando falo desse meu ritual para algumas pessoas, percebo claramente um ar de reprovação e "invejinha". Muitas pessoas não entendem a importância de se dar uns momentos de solidão saudável, para poder colocar as ideias em ordem e ouvir melhor o coração.Se isso não é muito bem compreendido ou aceito, nada posso fazer até mesmo porque eu já compreendi que são momentos assim que permitem uma manutenção na minha sanidade mental e servem de fonte de inspiração.
        Essas mini férias são sempre boas. Respirar ares novos, enfrentar desafios, conhecer gente diferente, ouvir músicas novas... tudo isso me inspira e me motiva a voltar pra minha rotina com muito mais gás e animação. Eu não me arrependo de nenhuma escolha que eu fiz: tudo e absolutamente tudo seria feito do mesmo jeito se houvesse uma outra oportunidade. Tenho aprendido que a vida é cheia de surpresas e acasos e tudo acontece por uma razão. Eu me orgulho das minhas escolhas. E vocês? Já pensaram em tirar umas mini-férias? O que estão esperando?

Muita luz pra todos!!