Sobre a matemática das relações...


Oi gente boa... espero que vocês estejam vivendo uma fase nova na vida de vocês assim  como eu... comecei a mexer nos meus pequenos demônios e os estou enfrentando um a um... devo confessar que são bem menos ameaçadores do que pareciam...
O tema dessa postagem é a matemática das relações... vamos a isso então. Comecemos do princípio: nem sempre um mais um são dois, as vezes são três, as vezes são um... explico-me melhor...
Em termos de relação nem sempre um casal é visto como duas pessoas, mas como uma terceira: resultado da mistura dessas duas pessoas; às vezes, a relação acaba por construir três pessoas: o casal, o marido e a mulher separadamente, e finalmente, aqueles caso nos quais duas pessoas se relacionam mas não conseguem construir nada positivo, cada um fica preso na sua própria individualidade, daí o resultado é menos um.
Acredito que na matemática das relações, nem tudo são ou devem ser somas, é preciso um equilíbrio entre somas, divisões e multiplicações, caso contrário, o relacionamento está fadado a um final.
Há pessoas com as quais nos relacionamos que somam na vida da gente: nos ensinam a nos conhecer melhor, nos mostram novas possibilidades de sermos pessoas mais completas, nos fazem rir, nos fazem chorar, mas tudo isso é feito sob as bases da doçura e da confiança, nos mostram com desacelerar, como aproveitar o momento, e a construir novas relações baseadas em fundamentos mais sólidos, pessoas que se dão tempo e se deixam conhecer sem pressa.
Já outras, parecem que vem a somar, mas, isso fica só na aparência. Parecem querer somar, acrescentar algo bom na vida mas se revelam elementos que só querem subtrair, minar,atropelar...
Estive em relações dos dois tipos. Por isso optei por seguir o lema da figura em relação as pessoas do segundo caso: se não vierem pra somar; desejo que sumam e rapidamente e sem deixar rastros.
Nessa desconhecida (pelo menos pra mim) matemática das relações espero só permitir pessoas que somem... e quanto às outras que sumam!!!

O poder de um café...

Oi gente... espero que vocês estejam bem e que o ano tenha começado a todo vapor e cheio de coisas positivas pra vocês.
Bom, quanto à mim, já voltei a trabalhar, revi meus queridos colegas e comecei a colocar parte dos meus planos em prática. Percebi que 2014 se foi e deixou um monte de pendências... pois então vamos a elas.
Por outro lado, após encaminhar a solução para essas pendências, inevitavelmente, como era de se esperar, outras muitas surgiram... ah essa coisa louca de se estar vivo...
Mas, deixando um pouco as digressões de lado (quase uma missão impossível no meu caso!!!), vou tentar focar no assunto desse post: o poder de um café.
Eu sempre gostei de café e sempre tomei muito. Devo confessar, que nos últimos tempos, o café havia sido muito mais uma desculpa para uma conversa do que qualquer outra coisa. Não que isso tenha mudado radicalmente, mas os meus cafés tem tido um sabor diferente. Ao invés da tradicional bolachinha como acompanhamento, vem carregados de questionamentos e reflexões que são frutos de longas conversas bem ao estilo "enjoy the moment".... O mais engraçado disso é que o café é conhecido como um tradicional estimulante, mas atualmente, pra mim, tem sido muito mais uma "bebida-freio", que me faz desacelerar e repensar sobre o modo que venho conduzido alguns aspectos da minha vida. Não sei dizer o que mais me agrada nesses cafés: se são os acompanhamentos ou a companhia... ou quem sabe um pouco de cada um? Seja como for, o ato de tomar um café e conversar tem servido como uma interessante forma de autodescoberta.... talvez o dizer que eu tenha visto em uma camiseta ontem esteja começando a fazer algum tipo de sentido "A felicidade é como uma borboleta, quanto mais a procuramos mais ela nos escapa das mãos, talvez a saída seja direcionar a energia para outras coisas, e de repente, pode ser que ela venha pousar em nossos ombros".

Voltando às raízes...


Oi gente boa...
Hoje venho aqui contar pra vocês sobre o modo como estou colocando em prática algumas das minhas resoluções de ano novo. Uma resolução importante. Talvez a maior de todas. 
Decidi que nesse ano, eu iria retomar o contato com as minhas raízes e com muitas pessoas importantes, que, por circunstâncias da vida eu havia me afastado.Foi ótimo. Maravilhoso. Reconhecer-se é fundamental para se saber quem a gente é e pra onde se deve ir. Passei uma tarde muito divertida com uma pessoa muito importante pra mim: almoçamos juntas, rimos, conversamos, trocamos receitas, descobrimos semelhanças...senti que uma parte importante de mim está renascendo... que sensação boa...é como estar voltando pra casa depois de uma longa viagem. Perceber uma identificação, uma semelhança é fundamental para se sentir mais confortável e mais feliz em sua própria pele... e eu estou me sentindo assim... obrigada Tia Lúcia, obrigada por me lembrar quem eu sou e o quanto eu sou amada... obrigada mesmo!!!

De volta pra casa...

Amanhã eu volto para minha casa na cidade. O veraneio foi ótimo. Revi meus primos. Convivi com minha irmã mais frequentemente. Fui muito à praia. Tirei fotos. Descansei e ri muito. Mas chegou a hora de voltar. Voltar pra minha casinha e minha vida. Seja ela bagunçada e meio fora da rotina, eu gosto muito. Férias são maravilhosas... mas voltar pra casa é melhor ainda..
2015 seja bem vindo... seja bonzinho comigo e me traga um grande amor... depressa... se possível.

Apenas um pedido...

Sem demora...se possível...

Sobre os graus de desapontamento...

Oi gente boa...
Bom, hoje eu escrevo por motivações não boas...
Durante um bom período de tempo durante esse início de ano, estive vivendo um momento de vida muito feliz, de grandes descobertas e conversas boas mas, como tudo na vida tem um fim, esse período terminou hoje. Terminou de uma maneira seca, direta e sem segundas chances... mais uma vez... meu coração ficou partido... em pequeninos pedaços...
Eu acho que eu já deveria ter me acostumado. Já tive três grandes professores. Mas eu sou assim: vivo saltando de precipícios sem corda de proteção e sem plano B. A cada salto espero o melhor, mas, não tenho tido muita sorte. Um desses professores já me disse para ir com calma mas eu não consigo: sou do tudo ou nada. E ultimamente só tenho tido o nada. Não tenho tido sorte com as capitais.... melhor procurar em outros lugares.
Talvez agora eu aprenda a me preservar um pouco mais e lembrar que ainda não encontrei uma pessoa que esteja preparada pra receber o tanto de amor que eu tenho pra dar. Aprenda a não ir com tanta sede ao pote.Aprenda que o amor é um presente que não pode ser dado para qualquer pessoa. Aprenda a pensar mais com a cabeça e menos com o coração. Simplesmente aprenda.
Por enquanto vou me recolher do mundo... preciso pensar...

Algumas pessoas são como lugares...

Oi gente boa...
Eu, agora, em estado de "férias" tenho tido mais tempo pra pensar sobre a vida... tenho olhado muito para o céu, que de longe, é o meu lugar favorito. Isso é tão importante para mim, que chego a me sentir triste se os meus dias "de vida normal" não me permitem ficar contemplando o céu por alguns momentos.
Me desculpem se ando divagando muito, há motivos pra isso. Bons e novos motivos..
A inspiração para esse post veio de um passeio em lugar cheio de pessoas que acabei de fazer.
Quanto mais o tempo passa e convivo com mais pessoas diferentes, concluo, que pra mim, as pessoas são como lugares.
Algumas representam espaços nos quais convivi por força das circunstancias, nem sempre foram agradáveis mas foram essencialmente necessários.
Outras foram pontos de passagem, caminhos que precisavam ser percorridos para que novos caminhos surgissem. Em um primeiro momento pareciam agradáveis mas, depois se revelaram desconfortáveis e inseguros. Foi preciso uma dose extra de coragem para perceber que o tempo de permanência havia acabado. Era hora de arrumar a mala e levar somente o que fosse extremamente indispensável.
O tempo mostra, que alguns lugares precisam ser revisitados com frequência, independente do quanto sejam insalubres e nos façam mal...fazem parte de um roteiro imprevisível que o universo traçou para cada um. Não há escapatória. O jeito é respirar fundo e tornar esse lugar o menos danoso possível.
Já outros, surgem ao acaso, e se revelam, bons lugares. Lugares felizes e cheios de surpresas boas. Basta estar atento e de coração aberto. Os riscos de coisas ruins são proporcionais ao quanto o lugar se revela atraente, não são raras as vezes nas quais há perigo e veneno nas coisas belas. É preciso estar atento.
Durante muito tempo frequentei os mesmos lugares. E outros que já tinham sido importantes haviam sido abandonados. O universo, com seu senso de humor inigualável, fez com que eu resolvesse dar uma nova chance a esses lugares. E isso foi muito bom. E ainda está sendo. Rever lugares antigos com um novo olhar, sempre acaba por deixa-los ainda mais bonitos...
E por último, aqueles lugares para os quais todos nos advertiam: não vá, você vai se perder. E, por puro medo e preconceito eu nunca havia dado uma chance a esses lugares. Devo admitir que, não fui de coração aberto, fui de luz alta e bússola e com um mapa. Para a minha surpresa, passado o susto inicial, descobri que os tais lugares perigosos não eram tão destrutivos assim, e posso dizer, com a mais absoluta certeza, que , em muitos deles eu me encontrei.
Quer um conselho óbvio: larga um pouco a bússola e ignora as placas de perigo...e vai que é aí que você se encontra?

Estar em estado de "apaixonamento"....

E viver os dois juntos... é o ideal...
Em homenagem à Brasilia e suas boas surpresas...

Sobre a necessidade de respeitarmos os "nãos"

Oi gente boa...
Escrevo hoje pra falar sobre o óbvio... por favor tenham um pouco de paciência comigo...
Há uma dificuldade generalizada das pessoas em aceitar um não. Um simples não. Uma negativa a um pedido ou convite. Compreender, aceitar e respeitar que o fato de que, quando alguém diz que não quer algo, o nosso dever maior é respeitar essa vontade. Não insistir. Nem desrespeitar.
Alguém me disse uma vez: se  precisar de ajuda, pede. Na hora não concordei. Fui criada para insistir em ajudar, a não ouvir, a não respeitar esse simples desejo. Hoje me arrependo disso. Estou aprendendo na marra a respeitar os "nãos" alheios e a me fazer respeitar. Dizer "não" para aquilo que não quero. E não ir com a maré... Aprender a ouvir e a dizer um não é uma arte... a ser exercitada diariamente.

Recomeços...

Um brinde a isso!!!

2015 - Seja bem vindo!!!

Oi gente... primeiro post do ano...
Quanta saudade de escrever... vocês nem imaginam!!!
Estou de volta, mil posts na cabeça e mil novidades...
Vamos começar da virada... casa da praia cheia de gente querida... primos, tios queridos, achegados que já conquistaram nosso coração...mãe, irmã, minha filha...muita alegria, zoeira, risadas, conversas, filosofias sobre o mundo...a presença de cada um encheu meu coração de paz, alegria e muita esperança...
Soma-se a isso, aquelas pessoas que mesmo fisicamente distantes, começaram a se tornar presentes no meu dia a dia, gente nova, novos sotaques, surpresas boas...  vocês também tornaram tudo muito mais especial... obrigada L... seja bem vindo à minha vida...
Há um ano atrás, na virada... eu estava com o coração apertado, com muito medo, muita dor, foi bem difícil segurar as lágrimas... alguém muito importante pra mim decidiu que já estava na hora de ir embora... foi muito duro... os anos de convivência, amizade e companheirismo iriam fazer muita falta ao longo do ano. Continuamos convivendo mas agora tudo mudou. Nova página. Não sei se você irá ler isso. Obrigada J.
Bom, bom mas vamos olhar pra frente com coragem, fé e curiosidade... um novo mundo me aguarda. Novas descobertas estão sendo feitas diariamente, está sendo bom e desafiador... eu gosto dos desafios...
Inventei um novo ritual (talvez nem tão novo assim pra alguns...). Temos o hábito de após o brinde do primeiro do ano, irmos para a praia pra ver a queima dos fogos, que, a cada ano que passa fica mais linda... É o momento em que todos voltamos a ser criança e nos maravilhamos com o espetáculo. Esse ano, decidi que cada um dos fogos representaria um pedido meu (ou mil vezes o mesmo pedido kkkk). O que mais pedi foi amor... amor e saúde... coragem... O mais engraçado é que o cara lá de cima resolveu atender o meu primeiro pedido bem rapidamente... (talvez cansado de ouvir tantas vezes a mesma coisa...) E me mandou muita gente boa... querida.... sensível... tudo que eu precisava. Mesmo à distância, essas pessoas se tornaram bem presentes e muito importantes... vou me esforçar pra mantê-los por perto...
No mais, quero retomar alguns contatos, cultivar minhas raízes, minha identidade... vou me esforçar muito mesmo pra isso, quero vocês todos de volta, meu padrinho e minha madrinha, minhas primas queridas Luciane e Amanda (desculpem os outros, mas, essas duas são minhas irmãzinhas), minha querida Tia Lúcia... venham...vamos nos fazer presentes nas vidas uns dos outros...
No mais... fé e coragem pra todos.. espero que a gente ainda se encontrem muito por aqui e pela vida!!!